abrotea

palavras!simples palavras! patriciags468@gmail.com

quarta-feira, agosto 22, 2007

Nesta janela de 4º andar que agora tenho, vejo quase a cidade toda. Nisso tinhas razão: voltei! Voltei para ti, cidade que me viu nascer!
Mas não voltei para ti, meu amor. Já é tarde para voltar. O tempo passou e tu já cá não estás. Soube-o assim que pousei os pés neste chão. Não precisei de perguntar. Ninguém teve de me contar. Sei que já cá não estás. Sei.
Soube assim que o ar se extinguiu. Num leve estremecimento. Soube porque as portas da terra se abriram. E as ouvi rugir. E tudo em mim tremeu. E o silêncio me devorou. E eu soube que tinhas partido. E que já não podias voltar mais.
Agora, aqui deste 4º andar por onde avisto a cidade, sei de cor os teus passos, aqueles que percorreste comigo. E sinto todos os que não vivi contigo. Sei que foste feliz sem mim. (E agora, és feliz? É-se feliz aí, onde estás?)
Respiro o perfume desta cidade, tão diferente de todas as outras. Mas tudo me sabe a ti. Todos os perfumes me levam a ti. Cheira-me a madeira, a árvore grande, segura e serena.
Voltei a minha cidade mas, meu amor, os meus passos são solitários. Porque as ruas não têm a mesma graça. E o rio perdeu aquela luz que sempre me inebriou.
Meu raio de sol…

4 Comments:

  • At 10:49 da tarde, Blogger Matchbox30 said…

    Tudo passa... eventualmente! ;-)

     
  • At 11:05 da tarde, Blogger Matchbox30 said…

    As pessoas que saiem da nossa vida, deixam um vazio que varia de tamanho e de grau de dor consoante o que representavam para nós...

    Às vezes, torna-se quase insuportável saber que essa pessoa está feliz quando nós estamos destroçados...

     
  • At 9:59 da manhã, Blogger Patrícia said…

    Matchbox30, eu acredito que ficaria feliz sabendo que a outra pessoa está bem. No caso deste texto (que é pura ficção) quando pergunto se se é feliz lá onde ele está, refiro-me ao lugar além da morte...

     
  • At 6:54 da tarde, Blogger Matchbox30 said…

    Ahhh... ok! Assim fico mais descansado! Lol!

     

Enviar um comentário

<< Home